Como combater as fake news no mundo corporativo? 

31/08/2018

Por meio das redes sociais, Grupo Águia Branca abriu um canal direto e oficial com seu público e para evitar problemas envolvendo notícias falsas ou propagação das mesmas , investe em monitoramento e no engajamento de sua equipe.

O Reuters Institute Digital News Report analisou a confiança e a desinformação no consumo de notícias globais e o relatório, divulgado em junho deste ano, traz uma notícia nada boa para a reputação nacional. Dos 12 países com maior exposição às fake news, o Brasil é o terceiro do ranking (35% dos entrevistados disseram que consumiram informações completamente inventadas), perdendo apenas para o México (43%) e para a Turquia (49%), a campeã da autoexposição a notícias falsas.

E não é apenas a grande mídia que tem sofrido os impactos das fake news. O mundo corporativo também está sentindo os efeitos negativos dessas notícias que não representam a realidade, mas que são compartilhadas na internet como se fossem verídicas, principalmente através das redes sociais.

“O universo que envolve as fake news em grandes corporações é gigantesco, vai desde a divulgação de vagas de emprego que não existem a informações não-verdadeiras sobre a vida pessoal de altos executivos. E seja qual for a situação, todas podem manchar sua reputação”, alerta a diretora da Aldeia Marketing de Conteúdo, Suellen Berger, parceira do Grupo Águia Branca e de empresas que representam as Divisões Passageiros, Logística e Comércio.

Para preservar a reputação e a identidade, destacou a especialista, o melhor é a empresa se posicionar, pois ela será sempre a fonte oficial de notícias. “O Grupo Águia Branca trabalha muito bem isso. Possui rede social e por meio dela abriu um canal direto com seu público”, destaca.

“A página corporativa oficial do Grupo no Facebook foi lançada em 2016, quando completou 70 anos, como estratégia de comunicação institucional por meio de conteúdos sobre a história e os negócios atuais. Antes disso, a Viação Águia Branca e as empresas da Divisão Comércio já estavam nas redes, atuando com foco comercial e de relacionamento com clientes”.

E para evitar problemas envolvendo notícias falsas ou propagação das mesmas, seja nas páginas das empresas ou na do Grupo, é feito um constante trabalho de monitoramento, como ressalta o presidente da Holding do Grupo Águia Branca, Decio Luiz Chieppe.

“As redes digitais deram poder à população. Tanto empoderamento, contudo, envolve responsabilidade. Daí a necessidade do monitoramento, das nossas equipes estarem sempre atentas e agirem rápido, dando a informação correta, quando perceberem  alguma informação sendo noticiada de forma indevida”.

Agilidade e clareza no combate 

“Por causa da rapidez com que se espalham, as fake news precisam ser enfrentadas adequadamente. Uma resposta mal elaborada pode gerar ainda mais confusão”, afirma a Diretora Comercial e de Marketing da empresa, Paula Barcellos Tommasi Corrêa.

No dia 27 de julho deste ano, uma notícia falsa foi divulgada via WhatsApp e redes sociais sobre um suposto acidente ocorrido em Fundão, na BR 101. Imediatamente após saber do ocorrido, o trabalho de esclarecimentos começou em diversas frentes envolvendo a equipe operacional e de comunicação. O Centro de Controle de Operações (CCO), responsável por monitorar todas as viagens realizadas pela Águia Branca, foi acionado para verificar o ocorrido, identificando ser uma fake news. A seguir, o Comitê de Crises foi acionado para monitoramento e verificação de todos os meios que estavam noticiando o boato. A partir daí, uma nota foi elaborada para responder à imprensa e os meios que estavam divulgando a notícia foram acionados e retiraram as matérias do ar.

“Além da agilidade, é preciso que os envolvidos na comunicação estejam bem alinhados para que a estratégia de divulgação da informação correta alcance o maior número de pessoas possível. No nosso caso, tivemos sucesso, pois não houve informações desencontradas na imprensa nem nas redes sociais após os esclarecimentos prestados pela empresa”, explica Paula.

voltar

empresas do grupo

passageiros

logística

comércio